Top Ad
Millenium Bim
www.bimcom
A sua banca aqui consigo
Matola Gas Company
www.mgc.com
A força da energia limpa moçambiana!

Eliminação de armas nucleares é a maior "prioridade" do desarmamento

Published in Política
domingo, 08 julho 2018 09:08
Rate this item
(0 votes)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse, este sábado, que a eliminação das armas nucleares é a maior prioridade do desarmamento a nível mundial, por ocasião do primeiro aniversário da adopção do Tratado de Proibição de Armas Nucleares.

 

"As Nações Unidas continuam comprometidas com a eliminação total das armas nucleares como a sua mais alta prioridade de desarmamento", referiu um breve comunicado emitido pelo porta-voz do secretário-geral, Stephane Dujarric, citado pelo serviço de notícias ONU News
O Tratado de Proibição de Armas Nucleares foi aprovado na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em 07 de Julho de 2017, por 122 países, que se comprometeram a não desenvolver, adquirir, armazenar, usar ou ameaçar usar armas atómicas.
Para Guterres, "a adopção do Tratado (...) demonstra o forte e legítimo apoio internacional que existe para acabar de forma permanente com a ameaça das armas nucleares".
Até à data, 59 Estados-membros da ONU assinaram o documento e 11 já ratificaram o texto. Quando 50 países ratificarem o tratado, o documento entrará em vigor.
O secretário-geral da ONU acredita, segundo indicou o comunicado, que o tratado vai tornar-se "um elemento importante do regime de desarmamento nuclear e da não-proliferação".
A 20 de Setembro de 2017, o Presidente do Brasil, Michel Temer, foi o primeiro chefe de Estado a assinar o documento.
Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são os outros países lusófonos que assinaram o Tratado de Proibição de Armas Nucleares, de acordo com a informação disponibilizada pelo serviço de notícias ONU News.
Poucos meses depois da aprovação do tratado pela Assembleia-Geral da ONU, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, defendeu, em Setembro de 2017, a decisão de Portugal de não ratificar o tratado.
"Portugal não pode ser membro da NATO, que é uma aliança nuclear, e ser subscritor de um tratado que declara ilegais as armas nucleares", explicou na altura o membro do Governo.
Na mesma ocasião, Augusto Santos Silva esclareceu que "é preciso fazer uma distinção entre a não-proliferação e a redução do armamento nuclear e sua ilegalização", recordando ainda que Portugal faz parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear.(RM /NMinuto)

Read 145 times

Escolha do editor

Publicidade

Sociedade

João Lourenço 'mexeu' obras de milhões, de José Eduardo dos Santos

João Lourenço 'mexeu' obras de milhões, de José Eduardo dos Santos

O Presidente angolano, João Lourenço, revogou, alterou ou mudou a gestão de contratos e projectos ap...

Rádios Online

Antena Nacional

EP Gaza

EP Sofala

RM Desporto

EP Nampula

Inquerito

O que acha do nosso novo website?

Meteorologia

Mostly Clear

18°C

Maputo, MZ

Mostly Clear

Humidity: 75%

Wind: 17.70 km/h

Programação

Contacto

Direcção de Informação: email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.; Fixo 21 42 99 08, Fax 21 42 98 26 | Rua da Radio N 2, P.O.Box 2000 | Rádio Moçambique, EP

Conecte-se Connosco